Áreas

19/10/2017 - 11:15
O estudo aponta que, para cada R$ 1 investido em TIC, há uma redução de R$ 9,42 em gastos de governo, na média nacional.

Foram apresentados os números de um estudo inédito na América Latina que comprova a relação entre os investimentos em tecnologia da informação e comunicação e a diminuição dos gastos públicos, inclusive em setores como educação. A pesquisa “Modelagem dos Efeitos dos Investimentos Públicos em TIC Sobre os Gastos Governamentais” é resultado de um intenso trabalho matemático e científico do Instituto Piatam, feita a pedido da ABEP – Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Tecnologia da Informação e Comunicação. A apresentação foi feita em São Paulo, para os presidentes das empresas estaduais de TIC e representantes da imprensa.

O estudo aponta que, para cada R$ 1 investido em TIC, há uma redução de R$ 9,42 em gastos de governo, na média nacional. Outro número indicado pela pesquisa é o impacto direto no Produto Interno Bruto dos Estados: para cada 1% de aumento de investimentos em TIC dos governos, o PIB aumentará 0,058%. “Esses números tendem a variar de acordo com o grau de maturidade [de infraestrutura tecnológica] de cada Estado”, explicou Alexandre Rivas, PhD do Instituto Piatam que apresentou o estudo.

A pesquisa teve como referência o artigo norte-americano “Os orçamentos de TI explicam o tamanho dos Governos?”, publicado na Management Science, além de conceitos da OCDE – Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, que prioriza o uso da tecnologia em áreas como Educação e Saúde.

Retornando para a realidade do Pará, temos o exemplo do sistema de Processo Administrativo Eletrônico (PAE). Desde a implantação do PAE - ferramenta que permite a tramitação de documentos e processos administrativos em formato digital, entre os órgãos da administração estadual, que foi desenvolvida pela Prodepa - o Governo do Pará economizou mais de R$ 2,4 milhões em recursos públicos.

Implantado em todos os órgãos estaduais, o sistema trouxe ganho de tempo na localização e acompanhamento de documentos e processos, eliminando perdas, e gerando economia no gasto com combustível usado no deslocamento de servidores entre os órgãos para fazer o protocolo de documentos físicos; além da economia com papéis e toner.

Além da economia e da celeridade na tramitação, deve ser destacada a dupla contribuição do Sistema de Processo Administrativo Eletrônico para preservação do meio ambiente, com a redução do consumo de papel e na emissão de CO2 na atmosfera, pela diminuição do uso de combustível.

A partir desse olhar, o Instituto Piatam se debruçou sobre a realidade brasileira (PIB dos Estados) no período de 2004 a 2014 para concluir o estudo. As fontes de consulta foram o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o CGI.BR – Comitê Gestor da Internet, o Banco Mundial e os próprios governos estaduais.

A intenção da ABEP é que o estudo possa ser aplicado a diferentes realidades e ajustado conforme as necessidades de cada Estado. Outro objetivo é mostrar a importância da TIC para diferentes setores, como saúde e educação.

Depois do trabalho finalizado, o estudo ainda será apresentado a Secretarias de Educação, Administração, Planejamento e Ciência & Tecnologia, além do Ministério do Planejamento, conforme explicou Márcio Lira, presidente do Conselho da ABEP e presidente da Prodam – Processamento de Dados Amazonas, uma das 27 afiliadas ABEP. “As Afiliadas [empresas de TIC estaduais] são como neurônios para gerar informação e são fundamentais nos processos decisórios. Resumimos esse estudo em uma palavra: inteligência”, comentou Márcio.

(Com informações da ABEP)